Novedades Fundación TOVPIL

Calar é amar


O respeito vem de dentro. E preciso começar redimindo as raízes. As palavras destrutivas são filhas de sentimentos destrutivos. Estes são os que precisam ser silenciados, numa homenagem oblativa a Jesus.


As soluções profundas dos males da comunidade nascem aos pés de Jesus Cristo. Só respeitaremos o mistério do irmão se nos colocarmos na esfera da fé, e fizermos uma transferência "vendo" o IRMÃO Jesus neste irmão que está ao meu lado.


A modo ideal de respeitar é o silêncio.


Silêncio interior, em primeiro lugar. Como diz São Pablo, é no coração que nascem as rixas e discórdias. É no coração que cada um de nós tem que cortar e silenciar a murmuração, fazendo disso um sacrifício oblativo a Jesus.. Não pensar mal. Respeitar o outro "calando" na intimidade.

Silêncio exterior, em segundo lugar. Muitas vezes não podemos justificar certas reações e certas atitudes irregulares de algumas pessoas, porque são defeitos evidentes. Mas sempre podemos respeitar o irmão ausente, simplesmente calando-nos. O silêncio, uma atitude tão nobre e digna...


Sempre penso que, quando nos apresentarmos na porta da eternidade, o melhor bilhete de entrada será um ramalhete de segredos, guardados em silêncio. Lá só entram os que amaram; e os que calaram, amaram.


Extraído do livro Suba Comigo do Frei Inácio Larrañaga