Novedades Fundación TOVPIL

Não mais mensageiros


Os vestígios da criação, as orações vocais, e também as reflexões comunitárias podem nos fazer presente Àquele que busca a nossa alma; mas eles o tornam presente para nós de maneira pálida e desfalecida. A fonte viva e copiosa está bem longe.


A alma pode saciar sua sede nas águas da torrente, mas o manancial dessas águas está lá em cima, na geleira da neve eterna. As águas da torrente não conseguem saciar os anseios últimos da solidão humana.


A alma, enquanto bebe um copo dessas águas, suspira, por não ficar saciada, pela fonte mesma, pela geleira, por Ele mesmo, e não por seus vestígios nem por suas fotos.


Não queiras enviar-me

hoje mais mensageiros

que não sabem dizer o que quero.

A alma não se conforma com os vestígios da criação nem quer intermediários. Busca outra coisa.


Não se conforma com as águas frescas que descem saltando pelas cascatas. Busca o manancial mesmo.


Aspira à posse mesma da Presença. Quer a relação inefável e pessoal, de eu-tu, aquela comunicação identificante de presença a presença, a vivência imediata e pessoal com Deus.



Do livro Itinerário rumo a Deus, do Frei Inácio Larrañaga