Novedades Fundación TOVPIL

A grande mãe


Se vocês olham o Novo Testamento com olhos contemplativos, o analisam e vêm, vocês encontrarão uma mulher, pobre de Deus, sensacional, e que, resumindo, é a grande desaparecida, o silêncio. E é por isso que, até o fim do mundo, ela será a grande MÃE no sentido da fertilidade, simplesmente porque foi a grande desaparecida.

E Deus se revela e se mostra por meio de pessoas que, segundo o mundo, nada valem. Paulo não fala de Maria nem meia palavra, apenas nas Cartas aos Gálatas quando diz: "Jesus Cristo veio ... nasceu de mulher" e nada mais. E, claro, que ele sendo um homem, teria que nascer de uma mulher. Só isso. Paulo, que em outra carta se gaba de ter conhecido o irmão do Senhor, Tiago (filho de José), de sua mãe não diz absolutamente nada.


Claro, tinha outros motivos também, era um contexto cultural completamente patriarcal. Mas aquela mulher era a grande pessoa desaparecida. Foi o silêncio, foi o grande desaparecimento. E é por isso que Deus transbordou-se por meio dela, e não só então, mas até o fim do mundo.


Frei Inácio Larrañaga 4ª Palestra das reuniões antes do início das oficinas de oração. 1984